Portal de notícias do profissional de crédito.

Não existem políticas de crédito certas ou erradas

ColunasCRÉDITO

Não existem políticas de crédito certas ou erradas

Existem políticas mais adequadas ao seu mercado, seu apetite para o risco e sua realidade macroeconômica. 

Alunos e amigos que me conhecem sabem o quanto sou chato com esse negócio de "normas e procedimentos".

No setor de recebíveis, quando um empresário me ouve falando em políticas de crédito e manuais de normas e procedimentos, a primeira frase que ouço é: "Você quer engessar minha empresa".

Na "cabeça" do cara, as decisões "despadronizadas" que ele toma no dia-a-dia são o grande segredo de sua "assertividade" e "velocidade" nos pareceres de crédito.

Eu até acredito que tal postura possa ter de fato um grande peso no processo, mas definitivamente não é responsável por assertividade e muito menos velocidade nas decisões.

Nesse caso, "assertividade" tem a ver mais com conhecimento do seu mercado e "velocidade" tem a ver mais com "decisões vindas de uma cabeça só".

Tudo isso funciona relativamente bem enquanto não se fala em escala e enquanto um proprietário não tem nenhuma "dor de barriga".

Entendo que se o empresário do setor preferir manter centralizado nele os pareceres de crédito do dia-a-dia, que pelo menos compartilhe de suas experiências com o restante de sua equipe "colocando no papel" tudo aquilo que considerar importante para que sua empresa se perpetue e todos os envolvidos no processo de crédito "falem a mesma língua".

O conjunto de experiências de um profissional deve ser necessariamente traduzido em forma de "POLÍTICAS DE CRÉDITO", até porque tais políticas já estão lá, no "Pentium 100" que é a cabeça do proprietário, mas inacessíveis à maioria dos seus colaboradores.

Noto ainda muita dificuldade por parte dos empresários em formular políticas que possam de fato ser colocadas em prática com efetividade e resultados práticos, o que as vezes os desmotiva a continuar tentando.

Sobre isso, entendo que muitos empresários, ao tentarem formular suas políticas, preocupam-se em ASSERTAR ao invés de simplesmente traduzi-las em normas e procedimentos. Transformar um conjunto de experiências empíricas em ordenamento factível não é bicho de sete cabeças, acreditem.

É bom lembrar que NÃO EXISTEM políticas de crédito certas ou erradas, mas sim as mais adequadas ao seu mercado, seu apetite para o risco e sua realidade macroeconômica. O grande "pecado" é não as colocar no papel.

O processo é muito parecido com "aprender a dirigir" um carro; nos primeiros momentos cada passo é difícil, mas aos poucos todo o conjunto se "automatiza" naturalmente.

Caso não saiba por onde começar, segue um check-list básico (bem básico) que utilizo para os alunos que participam dos nossos treinamentos, limitados, é claro, ao escasso tempo que temos em sala de aula. Trata-se do que chamo de "espinha dorsal" de uma política onde detalhes específicos e particularidades operacionais devem ser "desmembradas" a partir daí.

POLÍTICA DE CRÉDITO:

OBJETIVOS: PRESERVAR O PATRIMÔNIO DA EMPRESA AUFERINDO RENTABILIDADE E LIQUIDEZ:

Nosso mercado: () Indústria() Comércio() Serviços() Multimercado.

DENTRE CADA SEGMENTO, PREFERIMOS ATUAR COM OS SEGUINTES RAMOS:--------------------------------------------------------------

DENTRE CADA SEGMENTO, NÃO OPERAMOS COM:-------------------

NOSSA REGIÃO DE ATUAÇÃO SERÁ: ()DOMICÍLIO E ADJACÊNCIAS() QUALQUER REGIÃO.

DENTRE CADA SEGMENTO, A CONCENTRAÇÃO MÁXIMA ADMISSÍVEL SERÁ DE ______% DA CARTEIRA DA GESTORA DE RECEBÍVEIS.

QUANTO AO VOLUME, TEMPO E TIPO DE RESTRIÇÕES CADASTRAIS, ADMITIMOS:

-------------------------------------------------------------------------------------

QUANTO AO VOLUME, TEMPO E TIPO DE RESTRIÇÕES CADASTRAIS,NÃO ADMITIMOS:

-------------------------------------------------------------------------------------

OS TÍTULOS QUE IREMOS ADQUIRIR SERÃO OS SEGUINTES, DENTRO DAS SUAS PROPORCIONALIDADES:

____% Duplicatas Mercantis - ____% Cheques pré-datados- _____% Outros

A DOCUMENTAÇÃO MÍNIMA PARA A REALIZAÇÃO DO CADASTRO PRINCIPALDO CLIENTE SERÁ:

-------------------------------------------------------------------------------------

A DOCUMENTAÇÃO MÍNIMA PARA A REALIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES EM NOSSA EMPRESA SERÁ:

NO CASO DE DUPLICATAS:

-------------------------------------------------------------------------------------

NO CASO DE CHEQUES PRÉ-DATADOS:

-------------------------------------------------------------------------------------

PARA OUTROS TÍTULOS/MODALIDADE DE OPERAÇÕES:

-------------------------------------------------------------------------------------

OS LIMITES OPERACIONAIS QUE DISPONIBILIZAREMOS AOS NOSSOS CLIENTES SERÃO:

INDÚSTRIAS: _____% do faturamento apurado.

COMÉRCIO: _____% do faturamento apurado.

SERVIÇOS:_____% do faturamento apurado.

AS GARANTIAS QUE ESTABELECEREMOS COM NOSSOS CLIENTES SERÃO:

------------------------------------------------------------------------------------

QUANDO QUALQUER OPERAÇÃO NÃO SE ENQUADRAR EM NOSSA POLÍTICA DE CRÉDITO, A DECISÃO FINAL SE DARÁ ATRAVÉS DE:

-------------------------------------------------------------------------------------

Notem que se trata de uma referência básica, sem nenhum detalhamento ou particularidade, mas que por si só já envolve relativa dificuldade em desenvolver.

É importante que o empresário do setor de recebíveis estabeleça suas políticas e as expresse em forma de manual de normas e procedimentos, inclusive alimentando possíveis motores de crédito que executarão as análises e pesquisas necessárias, cliente a cliente, dentro de padrões de qualidade adequados e uniformes, com significativa redução de custos e enorme velocidade.

Eventuais correções de rumo serão sempre bem-vindas, seja por força de novas condições mercadológicas ou mesmo falhas nos procedimentos antigos. O importante é corrigir, rasgando a folhinha do procedimento antigo e incluindo o novo procedimento.

Boa sorte. 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://infocredi360.com.br/

No Internet Connection